RADIO GESSO

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Morre aos 85 anos a irmã Carmélia, grande missionária da diocese de Crato

Faleceu na madrugada de hoje, 22 de setembro, a irmã Carmélia, religiosa que doou sua vida em missão por longos anos a diocese de Crato, através da Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus. Irmã Carmélia estava internada no Hospital São Matheus, em Fortaleza- CE, e chegou a óbito por falência múltipla dos órgãos.
Sentindo a dor da perda, mas com a esperança na ressurreição de Jesus Cristo, as Filhas de Santa Teresa de Jesus enviaram um comunicado, onde afirmam: “A Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus irmana- se nesta hora com sentimento de profundo pesar pela partida definitiva de Ir. Carmélia, mas ao mesmo tempo reconhece na fé que nossa Irmã foi libertada do sofrimento em que estava há vários dias no leito do hospital”.
O corpo da irmã Carmélia deve chegar hoje à noite na Capela de Santa Teresa de Jesus, localizada ao lado do Colégio Santa Teresa de Jesus, em Crato, onde será velado. A missa de corpo presente acontecerá amanhã, dia 23 de setembro, às 7h, e logo após o sepultamento no Cemitério Nossa Senhora da Piedade, também em Crato.
História
Maria Julieta Saraiva Leão nasceu em Quixeramobim, no dia 30 de julho de 1931. Filha do casal Joaquim Elias Saraiva Leão e Anna Margarida de Almeida Guimarães, a jovem ingressou na Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus em 02 de fevereiro de 1952. Recebeu o nome de irmã Carmélia, em 1º de fevereiro de 1953, quando foi admitida ao noviciado. A primeira profissão religiosa foi realizada em 2 de fevereiro de 1954 e os votos perpétuos professados dia 02 de fevereiro de 1959.
Dentre as atividades exercidas na diocese de Crato, irmã Carmélia foi professora do Seminário Diocesano São José, em 1958 e 1959; professora do Colégio Santa Teresa de Jesus, coordenadora diocesana de pastoral e auxiliar da Cúria Diocesana, de 1959 a 1961; coordenadora dos cursos de catequese, de 1961 a 1963; de 1967 a 1980, esteve como secretária e supervisora do Movimento de Educação de Base (MEB); e de 1980 a 2004 foi como coordenadora do MEB do setor de comunidades, coordenadora da catequese e da campanha de solidariedade, exercendo também a função de tesoureira da Caritas Diocesana. Desde 2004 a religiosa estava em Fortaleza onde realizava tratamento de saúde.
Além das atividades mencionadas, a religiosa foi assessora da Família Teresiana, ramo leigo da congregação, e, na década de 90, apresentadora do Programa Nossos Caminhos se Encontram, que ia ao ar diariamente através da Rádio Educadora. Através do programa radiofônico a religiosa conseguiu despertar várias vocações, como a da irmã Lourdes Santos, FSTJ. “Ir. Carmélia foi a freira que sempre me motivou a ser fiel na minha vocação, pelo seu dinamismo e amor pela Vida Consagrada lhe admirarei sempre na presença e ausência”, falou.
Irmã Aldenira Máximo, FSTJ, que era ouvinte do programa, também teve sua vocação despertada para o ingresso na congregação através do exemplo da religiosa. “Pessoalmente conheci a Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus e nesta família religiosa senti-me vocacionada à consagrar minha vida, graças ao eco da voz da irmã Carmélia, que era exultante de encanto e alegria no serviço amoroso ao Reino. Assim, ela despertou muitas vocações para os diversos ministérios da Igreja, inclusive muitas Irmãs Filhas de Santa Teresa de Jesus”, disse.


Nenhum comentário:

Postar um comentário