Usuarios On-line


quarta-feira, 12 de maio de 2021

Agnaldo Timóteo deixa metade da herança para filha adotiva



Segundo informações do jornal Extra, Agnaldo Timóteo, que morreu aos 84 anos por complicações da Covid-19, fez um testamento antes de morrer, deixando metade de seu patrimônio, avaliado em R$ 16 milhões, para a flha Keyty Evelyn, de 14 anos. A garota foi criada pelo cantor desde os 2 anos de idade e acabou sendo a maior herdeira do cantor.

O Extra ainda informa que, por vontade do cantor, os outros 50% da herança serão divididos entre dois afilhados (10% para cada um) e dois dos seus seis irmãos.

Agnaldo nomeou como inventariante e também tuto da menina em sua ausência, Sidney Lobo Pedroso, advogado e amigo do cantor há 45 anos.

Apesar do amor que tinha pela filha, a adoção da menina não chegou a ser formalizada, enquanto o músico ainda estava com vida.

No fim do ano passado, após ter sofrido um AVC e ficar quase dois meses internado, ele solicitou que o advogado desse entrada no processo de adoção, que ocorreu em janeiro.

A ação da adoção corre em segredo de justiça em São Paulo. Porém, o Ministério Público, provisoriamente, já deu um parecer favorável para a guarda da menina, determinando dessa forma que o advogado de Timóteo seja o tutor de Keyty.

Irmãos contestam testamento

Apesar da vontade de Timóteo, irmãos do cantor querem pedir anulação do testamento, alegando que Agnaldo estava confuso na época que determinou a partilha dos bens.

Ruthinete, uma das irmãs do cantor, chegou a apresentar uma declaração de um médio em que diz que o cantor estava desorientado, sem ter como responder por seus atos. Ela ainda pediu que fosse nomeada como inventariante do cantor. A Justiça negou o pedido.

O advogado do cantor falou com o Extra sobre o desejo do cantor: “Como inventariante, só quero que a vontade de Agnaldo seja respeitada, me colocando como tutor da menina, para que eu cuidasse dela até os 18 anos”. “O primeiro pedido do Agnaldo foi que eu fosse o tutor da Keyty. Tutor voluntário, eu não recebo um centavo para ser tutor dela. Ele me deixou também como inventariante. Ao mesmo tempo, abrimos uma ação de testamento para saber quem são os beneficiados”, finalizou.

A filha de criação