Usuarios On-line


sexta-feira, 12 de março de 2021

Março Azul alerta para o crescimento de casos de Câncer Colorretal



O mês de março fica azul para alertar sobre os cuidados e tratamentos para o Câncer do Colorretal, o terceiro tipo de Câncer que mais atinge os brasileiros, ficando atrás apenas do Câncer de Pulmão e do Câncer de Mama. 

A Campanha Março Azul, já divulgada na Europa e Estados Unidos, chega ao Brasil com o objetivo de conscientizar a população e profissionais de Saúde para o diagnóstico precoce da doença.

O Câncer Colorretal, também conhecido como Câncer de Intestino ou Câncer de Cólon e reto, abrange os tumores que se iniciam na parte do intestino grosso (Cólon), reto e ânus. A doença é tratável e, na maioria dos casos, curável, desde que diagnosticada precocemente. 

- Fazer o diagnóstico o quanto antes é o fator fundamental para a definição da intensidade do tratamento, que pode ser exclusivamente cirúrgico, nos casos em estágio inicial, com intenção de cura. Na doença avançada, dispomos de novas modalidades de tratamento, como imunoterapia e imunobiológicos, além da Quimioterapia", explica Luís Rafael da Silva Cruz, oncologista do Núcleo de Oncologia e Hematologia do Ceará (NOHC).

De acordo com a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed), o aumento da expectativa de vida, o envelhecimento da população, inclusive a Pandemia do Novo Coronavírus, podem impactar na elevação da mortalidade pelo Câncer do Colorretal até 2025. 

Cenário Brasileiro - Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), em 2020, cerca de 50 mil pessoas receberam o diagnóstico do Câncer Colorretal, sendo 20.520 homens e 20.470 mulheres, além de quase 20 mil óbitos por causa da doença. 

O Instituto estima o surgimento de 40.990 novos casos por ano, para o triênio 2020/2022, sendo 20.520 em homens e 20.470 em mulheres. Os números correspondem a um risco estimado de 19,64 casos novos a cada 100 mil homens e 19,03 a cada 100 mil mulheres. 

- Os casos sugestivos de Câncer de Cólon são: alterações no formato, aspecto e presença de sangue nas fezes, anemia, perda de peso e dor abdominal. O diagnóstico é realizado com a Pesquisa de Sangue oculto nas fezes e Colonoscopia. A idade ideal para iniciar e a frequência da realização dos exames é individualizada e varia de acordo com os riscos”, diz doutor Rafael Cruz (foto).

O diagnóstico é recomendado para pessoas assintomáticas e acima dos 45 anos. Presença de sintomas, histórico familiar de Câncer Colorretal ou outros fatores de risco devem alertar os pacientes para a buscar atendimento médico e estabelecer o início dos exames mais precocemente ou realizá-los com mais frequência.

Prevenção - Manter uma dieta balanceada e rica em frutas, verduras e vegetais pode diminuir o risco de desenvolvimento dos tumores. Atividades físicas auxiliam no controle do peso, principalmente entre os homens, que têm maior propensão para desenvolver esse tipo de Câncer.

Sintomas

  • Diarreia ou constipação;
  • Sangramento ao evacuar;
  • Anemia sem causa aparente;
  • Desconforto abdominal, com gases e/ou cólicas;
  • Sensação de intestino vazio; e
  • Vontade frequente de evacuar, mesmo com intestino vazio.

Fatores que podem aumentar o risco do Câncer Colorretal

  • Obesidade.
  • Sedentarismo.
  • Dieta rica em carne vermelha e alimentos processados. 
  • Tabagismo.
  • Alcoolismo.